quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Quanta energia gasta um e-mail?

Extraído de Planeta Sustentável
http://planetasustentavel.abril.com.br/blog/planetaurgente/quanta-energia-gasta-e-mail-297554_post.shtml

E uma mensagem de texto?

Quanta energia gasta um e-mail? E uma mensagem de texto? Qual é a energia necessária para manter um celular em roaming para que ele possa operar em wi-fi? Com 1.5 bilhão de pessoas usando a internet todo dia, é evidente que ações como navegar, enviar e-mails, fazer downloads e partilhar documentos têm um impacto planetário.

Um relatório preparado paa a Comissão Européia em 2008, para a BIO Intelligence Service, agência de avaliação ambiental, descobriu que o uso destas tecnologias contribue com 2% das emissões de gases estufa da Europa. E este número deverá dobrar até 2020, sem mudanças no atual estilo de vida. Curiosa sobre este impacto ambiental, a agência ambiental e de energia francesa Ademe fez sua própria avaliação do uso de tecnologia, incluindo e-mail, buscas na web e transmissão de documentos com o uso de pen drives (flash cards) USB.

Pense em e-mails. Em 2009,. cerca de 247 bilhões deles foram enviados em todo o mundo, e isto deve chegar a cerca de 500 bilhões em três anos. Na França, por exemplo, alguém que trabalhe em uma empresa com 100 pessoas recebe uma media de 58 e-mails por dia, e envia outros 33. Usando em seu cálculo uma média de 1MG por e-mail (medida possivelmente excessiva), a Ademe estimou que e-mails profissionais geram impressionantes 13.6 toneladas de emissões de gases estufa por ano, ou 136 quilos por funcionário. Isto equivale a 13 viagens de avião de ida e volta entre Paris e Nova York.

Por que este impacto de carbono é tão alto? Por causa da energia requerida pelos computadores para enviar e receber e-mails - incluindo os centros que armazenam e processam os dados -, assim como a energia usada para fabricar os componente eletrônicos. Mas a Ademe oferece alguma esperança. Ela diz que o impacto ambiental pode ser substancialmente reduzido se o e-mail for enviado para menos destinatários. Com o acréscimo de 10 endereços, as emissões de gases estufa crescem quatro vezes. Mas reduzir uma pessoa por e-mail resulta em um ganho equivalente a 6 gramas de CO2, ou 44 quilos por empregado/ano.

"Uma redução de 10% em e-mails que copiam um chefe ou um colega em uma companhia de mais de 100 pessoas economiza cerca de o equivalente a uma tonelada de CO2 por ano", diz a Ademe, de acordo com o Guardian. Isto aumenta exponencialmente com o tamanho dos e-mails. Armazenar e-mails e anexos em um servidor pode ser conveniente, mas isto tem um custo ambiental. Quanto mais tempo o e-mail ficar disponível, ou não deletado, maior seu impacto no clima.

Imprimir também cria problemas. Um redução de 10% nas impressões economiza o equivalente a cinco toneladas de CO2 por ano. Impressão em branco e preto e dos dois lados do papel também ajuda a reduzir o impacto. As contas das pesquisas online também são interessantes. Segundo o Médiamétrie Institute, organização francesa de monitoramento da mídia, o francês médio faz 2.66 pesquisas por dia, ou 949 por ano. Mas fuçar polui, já que os servidores que fazem este serviço usam eletricidade, geram calor e devem ser sempre resfriados. A Ademe diz que o uso de um mecanismo de busca para obter informações gera cerca de 10 quilos de CO2 por usuário de web por ano.

Então como se pode diminuir o impacto da navegação? Algumas sugestões incluem usar palavras-chave precisas, copiar diretamente a URL no browser e salvar sites visitados frequentemente como favoritos. Estas medidas pode economizar cerca de 5 quilos de CO2 por pessoa/ano. Mas há pouca pesquisa sobre os pen drives - sabe-se que seu processo de fabricação é mais pouidor que seu uso, e que usá-lo para transmitir dados para mil pessoas em uma conferência, digamos, gera uma emissão equivalente a uma viagem de automóvel de 80 km.

Foto: CarbonNYC/Creative Commons

Nenhum comentário:

Postar um comentário