sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Erosão em Maracaípe

No "Vale a Pena Ver de Novo" (marcador do blog - ao lado) dessa semana, confronto o passado e o presente, iniciando com uma foto atual da erosão na praia de Maracaípe. 
A reflexão é a seguinte: -Porque se acelerou tanto esse processo nos últimos anos? 
Para colocar mais uma peça no quebra-cabeça, publico também um artigo de 2001 do JC Online (copiado abaixo), divulgando a autuação do CPRH sobre obra irregular na praia de Serrambi, logo ao lado de Maracaípe.
Perguntando aos "universitários" é possível deduzir que, devido as correntes marinhas de Sul para Norte (deriva litorânea), a causa estaria relacionada aos enroncamentos de pedras contruídos perpendicular a linha de praia  no Pontal de Serrambi. Ou para se criar uma praia particular, ou erroneamento utilizados para conter a erosão no efeito dominó.
Enquanto as autoridades e cientistas no assunto não se pronunciam, as perdas sociais, ecológicas e econômicas se acumulam, assim como o passivo desse belíssimo balneário. 
Considerando esse efeito devastador nas praias, se nada for feito, o problema pode chegar a Porto de Galinhas, via deriva litorânea.
Vamos refletir a respeito? Saudações,

 Foto da Praia de Maracaípe (litoral sul PE) destacando a erosão e o controle paliativo do processo. Foto de Clemente Coelho Junior em junho de 2012

------------------ X ------------------


FISCALIZAÇÃO 
JC On line
Original em  

CPRH autua hotel em Serrambi
 


Em vistoria realizada ontem, técnicos da companhia constataram a colocação de pedras em direção ao mar. A obra, que pode causar mais erosão na praia, não tem licença para ser realizada, segundo os fiscais
O Hotel Intermares Village, situado na praia de Ponta de Serrambi, em Ipojuca, será autuado mais uma vez por prejudicar o Litoral Sul do Estado. Fiscais da Companhia Pernambucana do Meio Ambiente (CPRH) detectaram, ontem, que o empreendimento estava realizando uma obra ilegal na areia, colocando pedras de médio porte em direção ao mar para reforçar um dos diques existentes no local. Segundo o órgão ambiental, a construção limitaria o acesso dos banhistas não hospedados no estabelecimento à praia.
“A obra não possui licença da CPRH para ser realizada, portanto, enviaremos amanhã (hoje) um auto de constatação para suspender imediatamente o serviço. O trabalho poderia privatizar a orla bem como reter a areia que hoje serve para ‘abastecer’ as praias de Serrambi, Enseadinha e Maracaípe”, explicou Eliane Bastos, arquiteta da Fiscalização do Gerenciamento Costeiro da CPRH.
Segundo ela, esses locais já estão em processo de erosão devido a obras irregulares, como os três diques construídos pelo Intermares na Ponta de Serrambi. “O hotel também já foi autuado por desmatamento de mangues”, informou.
A multa para o Intermares Village ainda não foi estipulada, mas de acordo com a CPRH, a reincidência das irregularidades poderá aumentar seu valor.
Durante toda a tarde de ontem, a reportagem do Jornal do Commercio tentou falar por telefone com a direção do hotel e com seu proprietário, Homero Lacerda, mas não obteve êxito. Segundo um funcionário do estabelecimento, o diretor Rodrigo Lacerda e o gerente-geral, Diogo Macêdo, estavam viajando e a substituta, Clara Correia, não se encontrava no momento.


Nenhum comentário:

Postar um comentário