sábado, 5 de abril de 2014

Pernambuco é o penúltimo lugar em investimento na área ambiental

A figura no final desta resenha foi extraída do Jornal O Eco, que apresentou o ranking de investimento em Meio Ambiente por Estado, com base nos dados do IBGE.
Bem, na mesma nota-se o penúltimo lugar de Pernambuco. Não deve ser difícil imaginar o que o ex-secretário de Meio Ambiente responderia ao ser questionado sobre investimento na área ambiental no estado. O Sr Sérgio Xavier, que acaba de sair do cargo para se candidatar a Deputado Federal pelo Partido Verde, certamente diria que nunca, na história de Pernambuco, se investiu tanto na área. De fato, no último ano o recurso da compensação de Suape foi despejado no orçamento e pulverizado em diversas ações meramente de campanha. Dinheiro marcado pelo rastro de destruição do litoral pernambucano. Basta passar por Suape e arredores para ver o enorme passivo sócio-ambiental deixado pela política adotada pelo Governador Eduardo Campos, que munido da perversa legislação que permite supressão de Áreas de Preservação Permanente em caso de utilidade pública
disparou contra nossas florestas para justificar o crescimento econômico na região. (vide artigo que escrevi aqui no blog, listando em uma tabela as leis autorizativas - http://caoseclorofila.blogspot.com.br/2013/11/e-continua-o-desmatamento-dos.html).
Para não ser injusto, o passivo sócio-ambiental é um marco de Suape, que foi falaciosamente combatido pelos governos durante décadas, mas justificado pela bandeira de geração de emprego e renda. 
Não bastasse o impacto ambiental do Porto de Suape no litoral centro-sul de Pernambuco, o atual governo acenou positivamente para a destruição do litoral norte, com a chegada da Fiat e de toda a infraestrutura que demandará - portos, aeroportos e estradas, como o desastroso e impactante Arco Metropolitano. 
Assim, na minha singela visão, não há sequer mais alguma chance em desenvolvimento sustentável do turismo no estado. Estamos fadados à sermos um estado industrial, arrecadador.
Como noticiado pela mídia, Suape cresce a todo vapor, comparando-o ao crescimento das cidades industriais na China. Oras bolas... Quem quer uma China no quintal de casa?
Há oito anos assistimos a aceleração do crescimento econômico e a queda da qualidade ambiental do nosso estado. Não há pesca e afastamos paulatinamente os turistas. Pergunto: - quem pagará essa conta, senhores Eduardo Campos e Marina Silva? 

Pelos dados do IBGE de 2012 somos o penúltimo lugar em investimento em Meio Ambiente (ou na estrutura de gestão ambiental), e o que iremos assistir a partir da abertura do horário político, é um teatro de Marina Silva, com seus discursos pobres, com meia dúzia de jargões: crescimento com sustentabilidade, proteção da biodiversidade, compatibilidade entre crescimento econômico e ambiental, agenda ambiental, etc e tal.
Porém, não responderão a maiorias das perguntas, não é Marina Silva? Restando aos articuladores da campanha explicar a colocação de Pernambuco no ranking, a dinherama derramada da compensação, os números que revelam um estado destruído ambientalmente. Descarregarão na mídia uma série de falácias, aos moldes da última gestão da Secretaria de Meio Ambiente do Estado de Pernambuco, na tentativa de recolocar Pernambuco em patamares acima do penúltimo lugar. Entretanto, tais dados irão ocultar sua origem, pela compensação de impacto severo sobre a paisagem costeira e do aumento do passivo sócio-ambiental. Em se tratando de corrida pelo poder, brincar com os números é uma prática antiga de campanha.

Costumo dizer aos meus alunos: - Falem a verdade! É muito mais fácil resolver os problemas de imediato e diminuir os que estão por vir. Degradação da qualidade ambiental e a ameaça a segurança alimentar não se esconde debaixo do tapete, pois reaparece na forma de fome, miséria e espécie invasora.
 

Pernambuco: A China Brasileira!

Saiba mais na matéria que me inspirou a crítica: http://www.oeco.org.br/oeco-data/28181-quais-os-estados-que-mais-investem-no-meio-ambiente
e os dados do IBGE: ftp://ftp.ibge.gov.br/Perfil_Estados/2013/estadic2013.pdf


Nenhum comentário:

Postar um comentário